• OPINIÃO

Humor: a vida de um casal entre o tédio e o prazer de ser homonormativo no Brasil

Diadorim passa a publicar tirinhas dos personagens Antônio & Francisco; a cada mês, nas redes sociais, histórias da dupla criada por Raphael Maia e Patrício Jr.


Os artistas Raphael Maia e Patrício Jr.. Foto: Reprodução/Instagram

Nesta quinta-feira (21), tem estreia na Diadorim. A agência passa a publicar mensalmente as tirinhas inéditas dos personagens Antônio & Francisco, criados pelos artistas Raphael Maia e Patrício Jr.


Confira a tirinha de estreia de Antônio & Francisco na Diadorim

Lançada em 2018, no Instagram, a série de tirinhas da dupla além de abordar situações do cotidiano também lida de forma despudorada com temas como política, sexualidade e comportamento.


Confira o que dizem Raphael Maia e Patrício Jr. sobre as tirinhas:


A proposta


"Estávamos na Era Temer e já antecipávamos a onda de conservadorismo que viria a tomar conta da política brasileira. Nesse cenário de intolerância crescente e calorosas discussões sobre direitos humanos e civis, sentimos a necessidade de nos expressar e jogar luz em nossa realidade. Somos um casal LGBT inter-racial, e nossa relação sempre foi marcada, desde o início, por saudáveis discussões acerca de todos os atravessamentos que nossas realidades promovem: homofobia, transfobia, machismo, racismo, intolerância religiosa, mas, também acolhimento, tolerância, empatia, bom humor e muito amor. Sentimos a necessidade de entregar um alento aos nossos iguais em tempos tão difíceis aos que acreditam que é através do diálogo e do entendimento que podemos construir uma sociedade melhor. Mas também sentimos a necessidade de produzir algo provocativo que nos tirasse da inércia e abrisse a possibilidade de encontrar outras pessoas que têm esperança num futuro melhor. Nosso cotidiano acabou nos inspirando, e jogar o humor no nosso cotidiano acabou sendo um processo terapêutico pra gente também."


O humor


"Nós dois temos histórias de vida muito diferentes, apesar dos diversos pontos em comum das nossas trajetórias. Os pontos em comum nos aproximaram, e os pontos divergentes abriram a possibilidade de dialogarmos, aprendermos um com o outro e evoluirmos. Nesse processo, a crítica a comportamentos impregnados de preconceitos foi um dos principais combustíveis. Mas não só isso. A gente gosta de provocar reflexões com nossas tirinhas, incluindo autocríticas que são sempre bem-vindas quando existe o intuito de evoluir. A gente critica o patriarcado, a branquitude, a classe média inerte, mas também lançamos holofotes a comportamos contraditórios do mundo LGBTQI+ (que, por estar inserido nessa sociedade cheia de contradições, não está imune a cometer erros). Mas nossa crítica maior é ao conservadorismo burro e vazio que vem tentando inviabilizar os debates producentes dentro da sociedade brasileira."



Por que o termo "homonormativo"?


"Casais heteronormativos não costumam sentir pudor em publicizar suas heteronormatividades. Você abre o Instagram e estão lá as reafirmações sobre esses relacionamentos marcados por papéis de gênero fixos e regras absurdas inventadas pelo machismo. Esse comportamento, que muitas vezes acontece sem reflexões e sem autocríticas, também serve ao propósito (intencional ou não) de reforçar formas tóxicas de relacionamento, violências e apagamentos. Decidimos nos definir como um casal homonormativo justamente para fazer uma provocação acerca da heteronormatividade e de seus nítidos prejuízos pessoais e coletivos. Temos orgulho de nossas identidades, ainda que a sociedade e o Estado Brasileiro, por meio de políticas de apagamento e aniquilação, tentem fazer com que sintamos vergonha. O patriarcado, dessa vez, não conseguiu nos vencer, e a gente espera que pessoas que ainda estão na batalha por serem visibilizadas e legitimadas pela sociedade se sintam encorajadas a prosseguir com suas lutas. Somos 'homonormativos' porque queremos mostrar que há mil formas diferentes, divertidas e novas de se relacionar e ser feliz. Espelhamos apenas uma dessas maneiras."


Raphael Maia

Ilustrador e designer. Estudou design gráfico e artes visuais. Trabalha com design cultural, produzindo identidades visuais para filmes, espetáculos e projetos em geral.


Patrício Jr.

Roteirista, publicitário e escritor. Tem três livros publicados: os romances "Lítio" e "Absoluta Urgência do Agora" e o volume de contos "A Cega Natureza do Amor". Atualmente dedica-se ao desenvolvimento da série animada infantil "Olguinha A Criança Empoderada" e ao seu novo romance ainda sem título.

* Os textos publicados nesta seção não necessariamente refletem a opinião da Diadorim.


Esse é um espaço de reflexão sobre diversidade sexual e identidades de gênero, com ênfase na defesa dos direitos da população LGBTI+. Você também pode colaborar. Quer escrever para a Diadorim? Fale com a gente, pelo e-mail redacao@adiadorim.org.

COLABORE
 

Colabore com a Agência Diadorim. Você pode sugerir pautas, enviar denúncias e escrever textos de opinião – fale com a gente através do e-mail redacao@adiadorim.org. Participe também da campanha de apoio ao jornalismo independente.

RECEBA A NOSSA

NEWSLETTER

REPUBLIQUE

 

O conteúdo deste site tem selo Creative Commons. Ele pode ser compartilhado e reproduzido – desde que mantidos os devidos créditos e sem modificação, alteração ou edição.